Mulher Carneiro – 21 de Março a 20 de Abril

Mulher Carneiro

A mulher Carneiro é regida pelo planeta Marte. Este é o responsável pela masculinidade deste signo. A acção e a iniciativa que tão bem caracteriza a mulher Carneiro são fruto da sua pertença ao elemento Fogo.

Personalidade

A mulher do signo de Carneiro é muito prática, decidida e original. É a mulher do Zodíaco mais semelhante ao sexo oposto. Gosta de fazer o que os homens fazem, de ir onde eles vão e de viver como eles vivem. Portanto dificilmente se vai deixar enredar por uma relação que no futuro próximo lhe pode trazer sofrimento, problemas e obstáculos que ela considera desnecessários. É uma simplista. No que se refere a metas profissionais é muito determinada. Depois de estabelecer os objectivos nada a vai deter.

A mulher Carneiro, dotada de um olhar dominante e arrasador, tem a capacidade de provocar tremores nos homens. Prendada de uma força interior enorme, esta deve ser levada muito a sério porque consegue decifrar o mundo do sexo oposto.

É a mulher mais realista e determinada do Zodíaco. É uma autêntica guerreira que não se deixa intimidar pelos obstáculos que inevitavelmente surgem. A eterna menina mimada, que não se coíbe de deitar cá para fora toda a sua ira quando os seus caprichos não são atendidos. Quem quiser conhecer a faceta negra da mulher Carneiro, basta intrometer-se entre ela e os seus objectivos: torna-se agressiva, esquece a ética e a diplomacia, e ataca. Sem dó nem piedade. É extremamente auto-suficiente e toda a sua vida é uma constante aprendizagem. Aprender a trabalhar em equipa, aprender a partilhar e principalmente aprender a respeitar as regras. Com a excepção do sentimento de ira, o coração desta nativa parece estar desprovido de sensibilidade. De uma prepotência descomunal, ela não pede atenção, ela exige! Quando não é ouvida lança um olhar gélido que faz qualquer um estremecer. A nativa Carneiro anseia pela independência vivida pelos homens. Ela quer ter a vida que eles têm. Chega a sentir pena das outras mulheres ou até da própria mãe, considerando-as fracas e submissas aos caprichos dos homens. Ela associa feminilidade a fraqueza, e masculinidade a poder. Armada de um espírito indomável, simboliza toda a força, independência e auto-estima que qualquer outra mulher desejaria o que a torna irresistível tanto para os homens como para as mulheres.

Corpo e modo de estar

O seu habitat natural é literalmente no meio das pessoas do sexo oposto. Facilmente se encontra esta nativa numa festa ou encontro social. Bela, alta e elegante, serve-se de uma bebida forte e junta-se a um grupo masculino. Esta é certamente uma mulher Carneiro. Qualquer homem com que esta mulher confraternize, pode transformar-se, com relativa facilidade, no seu próximo parceiro sexual. É a mulher ideal para os solteirões, uma vez que não quer compromissos, quer apenas prazer momentâneo e está sempre disponível. Eles acham-na hilariante. Com um estilo muito descontraído e masculino, as gangas, as t-shirts e os ténis prevalecem no seu guarda-roupa.

Contudo, quando a ocasião assim o exige, é capaz de vestir um belo vestido justo que lhe cai como uma luva, uma autêntica segunda pele. A característica mais comum entre as nativas de Carneiro é a face: uma estrutura óssea larga, rosto amplo e achaparrado. Aos olhos grandes e redondos acrescem as sobrancelhas espessas. Os lábios finos e a testa alta conferem-lhe uma aparência nobre. Pode considerar-se uma sortuda, tem uma pele perfeita, lisa e clara como uma boneca de porcelana. Com uma postura muito aprumada, de ombros firmes e pescoço esticado, tem um porte elegante. Por norma, tem um peito pequeno, firme e com as aureolas dos mamilos grandes. Apesar de ser uma bela mulher, não é muito avultada de curvas, mas isso não a faz menos feminina.

O seu belo corpo, desprovido de pêlo, contrasta com a densa penugem que se encontra na maravilhosa encruzilhada do meio das suas pernas, uma zona extremamente húmida e facilmente excitável. Como se assemelha mais aos homens, a mulher Carneiro tem um modo de caminhar sensual e arrapazado.

Sexologia

A mulher Carneiro não tem nada de pudica ou santa, muito pelo contrário. Ela vê os homens simplesmente como objectos sexuais, com os quais pode satisfazer os seus desejos mais carnais. Não pretende, de forma alguma, apaixonar-se e faz tudo o que estiver ao seu alcance para o evitar. A masculinidade presente nestas nativas, justifica a forma maria-rapaz como vive.

A nativa de Carneiro nunca irá permitir que homem algum a consiga dominar, não irá subjugar-se ao controlo masculino. Portanto, vai isolar-se e distanciar-se deles para não se deixar dominar. Ao desenvolver a maturidade sexual, esta mulher maria-rapaz depara-se com um grande dilema. Perante os homens é muito pouco feminina, perante as mulheres é muito masculina. Por isso, é bem provável que se sinta rejeitada pela sociedade. No entanto, os homens caem a seus pés devido à sua independência e individualidade. Parece inalcançável!

A nativa de Carneiro tem a capacidade de provocar e dominar os homens de tal forma que estes fazem tudo o que ela quer mas, em simultâneo, ela consegue fazer-se passar por mais uma camarada do grupo.

Quando falamos de relação, a mulher Carneiro foge a sete pés. Ela é apologista de sexo diário e nada mais que isso. Com uma capacidade incrível de atrair homens belos e vigorosos, ela usa-os para satisfazer as suas necessidades sexuais. Podendo eventualmente assentar um dia, nunca será definitivo. Nunca se sabe o que esperar desta mulher. Na adolescência procura homens mais velhos com quem possa aprender alguma coisa, contudo, quando amadurece, vai em busca dos jovens que estão no seu auge, sem controlo hormonal, cheios de apetite sexual e que, tal como ela, não procuram relações sérias, mas sim, sexo por prazer.

É natural que quando a vida de solteira perde o encanto, ela vai procurar um companheiro afectuoso e manipulável, para manter o controlo e o domínio da relação. O parceiro ideal é caseiro, faz as lidas da casa e mais importante, tem de estar sempre disponível para satisfazer as suas carências carnais. Contudo, esta extravagância de superioridade, de se fazer passar pelo “homem” da relação, pode conduzi-la a uma artimanha. Pode eventualmente encontrar um vilão que a queira usar. Ele faz o jogo dela enquanto bem entender, e depois se mostre mais agressivo e dominador do que seria esperado, ou seja, sem sequer perceber como, a mulher Carneiro perde o domínio e o controlo da relação. É mais que lógico dizer que esta união é curta e sem qualquer fruto.

A nativa de Carneiro é muitas vezes mal interpretada pelas outras, que a retratam como “fácil”, quando na realidade ela apenas segue os seus impulsos sexuais e atracções físicas. Aos seus olhos, é um ataque à natureza ir contra esses impulsos. Experimentem provocá-la e rejeitá-la – vai ficar furiosa e não aceita. Está habituada a ser ela a fazer isso e ter tudo e todos a seus pés. A palavra de ordem da nativa de Carneiro é – sexo. Para ela, esta prática exuberante da luxúria humana nunca é demais. Tem sempre o contacto de alguém que está sempre disponível para a satisfazer, sem qualquer pudor de ser ela a dar o primeiro passo. A falta de imaginação e frieza com que esta mulher vê a parte física do amor torna-a pouco sensual.

Aquando da intimidade, dispensa os preliminares, quer passar logo à acção. A penetração é fulcral e prioritária para ela. Não é facilmente saciada. Não gosta dos jogos de sedução, não se excita com as fantasias e não tem fetiches – para esta mulher sexo é sexo. Precisa de algo em que possa tocar, sentir e, sem dúvida, criticar. Homens, cuidado com esta mulher. Se quiserem envolver-se com ela tenham a certeza e estejam confiantes de que são muito bem prendados. Isto porque, para a nativa de Carneiro o tamanho importa. Contudo, se estiver sozinha, nada a impedirá de se masturbar e muito bem. Para ela é uma necessidade básica, logo, uma prática diária. Como conhece muito bem o seu corpo não tem qualquer dificuldade em chegar ao clímax. Sabe exactamente onde deve tocar e acariciar, lento ou devagar, para atingir o pico de satisfação. Quando está acompanhada, também gosta de dar uma ajudinha. Deste modo, o parceiro não se distrai e faz exactamente o que ela quer. Ela só quer que ele a penetre com vigor e cuidado.

O sexo anal e oral são meras perdas de tempo segundo as nativas de Carneiro. Não nega, mas sempre que pode vai esquivar-se. Adora fazer acrobacias na cama e variar de posição, é muito activa na intimidade. Até no sexo a sua tendência para a superioridade se evidencia. Uma das suas posições favoritas é ela por cima, de modo a poder controlar o acto sexual. Apesar de não ser apreciadora de fantasias e fetiches, existe uma coisa que a deixa muito excitada – ser vista! Ela adora exibir-se, fazer sexo em lugares públicos, onde corre o risco de ser apanhada.

De todas as mulheres do Zodíaco, a Carneiro é a mais masculina. Age e pensa tal como o sexo oposto. Vive as relações com o propósito do sexo e sonha com o “ménage à trois”.

Na homossexualidade

A mulher Carneiro homossexual é muito diferente da heterossexual.

Ela busca uma parceira dominante, é submissa e está sempre pronta para satisfazer os desejos da parceira. É muito feminina, apesar do estilo de vestir semelhante ao da mulher heterossexual. Contudo, quando falamos de roupa interior, a mulher homossexual é muito mais sexy, picante e provocadora. É capaz de fazer um belo strip ou simplesmente entrar num jogo de sedução que as levará ao prazer máximo. Com tendências para mulheres mais velhas e mais masculinas, para que possam fazer o papel de donzela, admirada e mimada. A parceira da nativa de Carneiro tem de ser alguém que também nutra um enorme apetite sexual e onde nada pode faltar. No entanto, numa relação lésbica falta um pormenor importante para a nativa de Carneiro, a penetração. Portanto, são adeptas de todos os acessórios indispensáveis para a realização desse desejo.

Muito dedicada à parceira e ao sentimento que as une, a nativa de Carneiro vai realizar todas as fantasias sexuais da companheira sem o mínimo esforço ou queixume. Tal como a heterossexual, também o grupo de amigas da homossexual podem todas ser potenciais parceiras sexuais. A nativa Carneiro homossexual também é aberta a novas experiências, como por exemplo o “ménage à trois”. Esta pode mesmo surpreender a parceira, chegando a levar-lhe esse presente para poderem viver as três a fantástica magia do sexo.

A sua votação: